Enquete

Você se sente ou já se sentiu assediado moralmente no banco?

Audiência reforça defesa do Banrisul Público em Pelotas

O Plenário da Câmara de Vereadores ficou lotado para o encaminhamento da moção de apoio aos funcionários público estaduais

Com o objetivo de chamar a atenção da comunidade pelotense para o processo de desmonte dos serviços públicos do estado do Rio Grande do Sul – que inclui a possibilidade de privatização do Banrisul e da CEEE – um grupo de cinco vereadores de Pelotas promoveu uma importante audiência pública, na noite da terça-feira (11). Solidários às reivindicações dos trabalhadores, Fernanda Miranda (PSOL), Ivan Duarte (PT), Marcus Cunha (PDT), Éder Blank (PDT) e Antônio Peres (PSB) propuseram o encontro não apenas para abrir o espaço de discussão junto à sociedade, mas também para ouvir seus pares, que possuem representatividade na Câmara de Deputados e podem, ao menos, tentar sensibilizar suas respectivas bancadas a atenderem os anseios dos funcionários público estaduais.

Ao lembrar da resistência à onda privatista de Britto e FHC, o vereador Ivan Duarte (PT) reforçou sua posição em defesa do que é de interesse de todos os gaúchos. “Nos somamos aos movimentos de servidores destes órgãos para evitar a venda de um patrimônio estratégico dos gaúchos para o capital internacional”, disse. Seguindo a mesma linha, Marcus Cunha (PDT) reforçou que o projeto político em curso no Rio Grande do Sul, segue uma lógica, de nível nacional, que irá penalizar as demais gerações. “Esse plano de redução do papel do Estado é para 40 anos. Se nós não reagirmos à altura, nossos netos nos cobrarão”, reforçou o parlamentar.

A vereadora Fernanda Miranda (PSOL), que presidiu a audiência, chamou a atenção para a falta de bom senso do governo Sartori (PMDB) em tentar passar o projeto privatista a todo custo. “O governador chegou a afirmar que, para colocar mais policiais, nas ruas, seria preciso o Legislativo aprovar a venda das estatais”, ressaltou. No início deste mês, em pronunciamento no Palácio Piratini, o governador condicionou  a posse de novos policiais civis e militares, aprovados em concurso ou por seleção a ser aberta, à aprovação total do pacote encaminhado à Assembleia.

Ao defender a manutenção do Banrisul como patrimônio dos gaúchos, a diretora da Federação dos Bancários, Denise Corrêa, enfatizou que, além de se tratar de um banco presente em quase todo o estado, é o que possui maior inserção entre correntistas das classes D e E. Esse público está entre os 80% de clientes do banco que ganham até três salários mínimos de renda. Ao ressaltar a intensa mobilização do Sindicato contra a privatização do Banrisul, o diretor Rafael da Silva, que é também funcionário da empresa, falou da abrangência do banco em locais onde nenhuma instituição privada realiza cobertura. De acordo com o sindicalista, são 96 municípios que contam com atendimento exclusivo do banco.

Considerando os apontamentos dos dirigentes sindicais, do público e dos vereadores presentes – sendo o vereador Marcola (PT) o único não proponente da audiência a compor a mesa –, foi encaminhada uma moção de apoio aos funcionários do Banrisul, em defesa da manutenção do seu caráter público.

Imprensa Seeb Pelotas
12/04/2017

Tags: banrisul

Voltar