Enquete

Você se sente ou já se sentiu assediado moralmente no banco?

Bradesco deixa trabalhadores adoecidos passando necessidade

Banco ignora Convenção Coletiva de Trabalho e deixa de pagar salário emergencial para funcionários afastados pelo INSS

Sem dinheiro para comprar remédios, comida e até mesmo para pagar as contas de casa. Essa é a situação de diversos trabalhadores do Bradesco, desassistidos pelo banco por estar em um ‘limbo jurídico’: foram afastados por motivos de saúde, considerados aptos para o retorno ao trabalho pelo INSS, mas inaptos pelo médico do trabalho.

O problema começou quando o governo Temer acabou com o pedido de reconsideração para quem fosse considerado apto para trabalho pela seguridade social, mas não pelo médico.

Bancários nessas condições estão resguardados pela cláusula 65 da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), que garante o pagamento de um salário emergencial para que o trabalhador não fique sem nenhuma remuneração enquanto o pedido é analisado.

Com o fim do pedido de reconsideração, o Bradesco começou a negar o pagamento desse salário, alegando não ter ‘amparo jurídico’ para tal. Outros bancos, no entanto, não têm feito a mesma ressalva e continuam pagando o direito.

Em São Paulo, o sindicato tem sido procurado por bancários que não têm dinheiro para continuar o tratamento, para comprar remédios e até mesmo comida. O problema tem sido tratado na mesa de negociação com a Fenaban e via Comando Nacional dos Bancários.

Fonte: Seeb/SP

Montagem: Linton Publio / Seeb/SP

Tags: bradesco

Voltar