Enquete

Você se sente ou já se sentiu assediado moralmente no banco?

Jovem e revolucionária: RádioCom comemora 16 anos de luta

Emissora mantida pelo movimento sindical de Pelotas é exemplo de comunicação comunitária no Sul do país

O dia 12 de junho é um marco na luta pela democratização da comunicação na cidade de Pelotas. Nessa data, no ano de 2001, a RádioCom 104.5 FM entrou no ar para mudar, em definitivo, as ondas do rádio na cidade. O Sindicato dos Bancários, conhecido como o “berço” da emissora, se orgulha de manter o projeto ao lado de outras organizações sindicais comprometidas com os interesses dos trabalhadores. As primeiras reuniões para se pensar na proposta da rádio ocorreram na sede dos bancários, contando com a presença não só de dirigentes sindicais de diversas categorias, mas, também, de artistas e ativistas locais.

“Essa é a única emissora da cidade que dá vez e voz aos movimentos sociais, com uma programação de qualidade, voltada para a inclusão social e a valorização da cultura local”, enfatiza o diretor de Comunicação do Sindicato e coordenador administrativo da emissora, Luis Diogo. As três edições do projeto Arte Daqui comprovam o que diz o dirigente sindical. Diversos artistas locais tiveram seus trabalhos reconhecidos a partir da iniciativa. Além da produção de três CDs, o Arte Daqui também se notorizou pela realização de festivais musicais, reunindo grandes públicos e valorizando a diversidade cultural da região.

O período de gestação da rádio não foi muito extenso. Durou aproximadamente três anos. Mas os dias que se seguiram foram de muita luta. Até o recebimento da outorga definitiva, em dezembro de 2009, os comunicadores populares da RádioCom sofreram dura repressão. Viram o direito à comunicação ameaçado por uma política de criminalização dos movimentos sociais, capitaneada pelo Ministério das Comunicações, sobretudo na figura do então ministro Hélio Costa.

Renovação permanente
Hoje, em meio à consolidação da proposta, os desafios não param de se renovar. Para o atual coordenador geral da RádioCom, José Luiz Moraes - radialista que está engajado desde o início do projeto -, a renovação permanente, motivada pela aproximação de estudantes, sobretudo de jornalismo, é o que motiva os mais experientes a seguir as orientações do poeta argentino Eduardo Galeano, perseguindo a utopia. “Seguimos caminhando em direção ao horizonte. Aprendendo, diariamente, com os meninos e meninas que chegam até nós, na ânsia de produzir material voltado ao interesse público, mesmo sem um vínculo oficial com qualquer instituição de ensino”.

A RádioCom ainda é jovem. Mas, aos seus 16 anos, já possui mais maturidade do que emissoras com muito mais idade. Calejada pelas adversidades, ela não se permite calar; tampouco, recuar. Como diria Raul Seixas, “sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto é realidade”.

Por: Eduardo Menezes / Imprensa Seeb Pelotas

Voltar