Enquete

Você se sente ou já se sentiu assediado moralmente no banco?

Bancários adoecidos ficam sem renda

 


Trabalhadores afastados aguardando perícia ficam sem salário do banco e sem benefício no INSS; Campanha Nacional tem saúde como prioridade na pauta de reivindicações


 São Paulo - A saúde do trabalhador tem sofrido fortes impactos em função da pressão e estresse a que estão submetidos diariamente. É assim que define Marta Soares, secretária de Saúde do Sindicato, a atual situação do bancário que sofre principalmente com a cobrança por metas abusivas.

 Segundo a dirigente, a atual rotina da acarreta, além de problemas psicológicos, doenças físicas como as LER/DORT, consideradas acidentes de trabalho que acometem principalmente tendões, articulações e músculos. Em muitos casos, os trabalhadores que já perderam a saúde acabam ficando também sem renda.

 É o que acontece com uma trabalhadora afastada há três meses por conta de LER adquirida durante os 25 anos em que se dedicou a um banco. Durante esse trimestre, está sem receber porque ainda aguarda aprovação da perícia médica. Enquanto isso, não recebe nem do INSS e nem do banco. "Estou a ver navios", definiu a bancária, impossibilitada de trabalhar em função da dificuldade de movimentar os membros superiores e das fortes dores que sentia.

 O problema apareceu há cerca de dez anos. "Não tenho condições de voltar ao trabalho e não consigo o afastamento. Nem mesmo a CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho) o banco emitiu. Estou há três meses sem conseguir pagar as contas e a situação está bem complicada, pois acabo adquirindo outros problemas psicológicos também".

A dirigente Marta Soares alerta para o fato de que a direção dos bancos desconsidera os limites físicos e psíquicos do funcionário e, por isto, a rotina de trabalho acaba acarretando problemas de saúde. "Em muitos casos, além de o banco não considerar o histórico de tratamento a que o bancário teve de se submeter, finge não entender que o problema de saúde adquirido foi em função da sobrecarga de trabalho. Portanto, o banco é responsável, sim, por ter acarretado a doença no trabalhador e precisa se comprometer com o tratamento", defende.

 Segundo a dirigente, essa é uma das pautas de reivindicações da saúde deste ano. "Exigimos que os bancos se responsabilizem e se comprometam em auxiliar o trabalhador que necessite se afastar, principalmente no período em que o funcionário estiver desamparado por aguardar o resultado da perícia médica", afirma Marta, lembrando da necessidade de se denunciar ao Sindicato questões como esta. "As informações e as denúncias são fundamentais para que consigamos fortalecer a mobilização e apontar os principais problemas enfrentados pela categoria", explica.


 

Confira algumas pautas sobre saúde reivindicadas na Campanha Nacional 2012
 
- Fim das metas abusivas: as metas têm de ser discutida com os trabalhadores e levando em consideração a capacidade da unidade e a região onde está localizada.

- Renovação do instrumento de combate ao assédio moral, criado em 2011, que disponibiliza um canal para encaminhamento de denúncias, reclamações, sugestões e esclarecimento pelos trabalhadores. No entanto, ele tem de ser aprimorado com a redução do prazo de retorno ao Sindicato quando houver reincidência

- Fim da discriminação de funcionários em reabilitação e o cumprimento da NR 17, para que todos tenham direito a intervalos de 10 minutos a cada jornada de 50 minutos em trabalhos.
 

Tatiana Melim

Tags: ,outros bancos,

Voltar